Meu pet vai! Saiba como levar seu animal de estimação para o Canadá

Se os seus planos são imigrar para o Canadá e você tem um cachorrinho, um gatinho ou qualquer animal de estimação, certamente, você vai desejar levá-lo com você. Para a maioria das pessoas é impensável viajar sem o bichinho de estimação. Por isso, vamos tentar ajudar com algumas informações sobre todo o processo necessário para embarcar com o seu pet para o país norte americano. 

Como o mais comum é que as pessoas tenham cães ou gatos, vamos direcionar o texto sobre estes animais. Contudo, caso você queira informações sobre outros bichos, basta conferir as exigências nos sites das companhias aéreas, do Ministério da Agricultura e do governo do Canadá.  

A primeira coisa que você deve saber é que levar o animal de estimação deve estar no seu planejamento inicial, já que vai demandar tempo e algum gasto. A boa notícia é que, ao contrário de muitos países, o processo para embarcar o pet para o Canadá é simples e não tem muitas exigências. 

VACINA E DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA: 

O Canadá exige que o animal tenha apenas a vacina de raiva em dia, aplicada dentro de um ano. Não é necessário o microchip, nem o exame de sorologia ou qualquer outra vacina. 

O animal vai precisar dos seguintes documentos:

  • Carteira de Vacinação (com a vacina da raiva em dia). É importante que o certificado da vacina de raiva esteja em inglês ou francês. Para os filhotes com menos de 3 meses de idade a vacinação anti-rábica é dispensada. Um veterinário particular deve emitir uma declaração (também em inglês ou francês) dizendo que a imunização antirrábica não foi efetuada devido a pouca idade.
  • Atestado de Saúde: É um documento emitido por um veterinário particular e seguindo este modelo da Vigiagro. Tem que ter os dados completos do dono (nome, endereço no Brasil, documento válido e telefone para contato), do animal (nome, espécie, raça, cor, tipo de pelagem, sexo, número do microchip – caso tenha -, data de nascimento, etc.), a data da consulta e a assinatura do médico veterinário, com carimbo legível. Esse atestado será apresentado em uma unidade da Vigiagro para que o Certificado Veterinário Internacional (CVI) seja emitido. Portanto, é preciso que o atestado de saúde seja feito dentro de 10 dias antes do embarque. 
  • Certificado Veterinário Internacional (CVI) ou Certificado Zoossanitário Internacional (CZI): O documento é o mesmo, porém usa-se os dois nomes. Para viajar para o exterior com gatos e cachorros, qualquer passageiro precisa solicitar ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) a emissão do Certificado Veterinário Internacional (CVI), documento que comprova que o animal está em boas condições sanitárias e apto para entrar em outro país. É recomendável que você agende com antecedência. O CVI ou CZI também só é válido por 10 dias, portanto, a emissão tem que ser agendada até 10 dias antes da viagem. Por isso, é preciso programar bem direitinho as datas. O documento é gratuito e não é necessário levar o animal. Todas as informações já estão no atestado de saúde emitido pelo veterinário. No site do Ministério da Agricultura você encontra mais informações sobre o documento.

Pronto. agora que você já sabe toda a documentação que vai precisar preparar para o seu animal de estimação, hora de decidir a forma de transportar o bichinho até o Canadá. 

Há duas maneiras de fazer isso: em um voo comercial, junto com você, na cabine ou no porão (vai depender da raça e do peso do animal). Ou por uma empresa de transporte aéreo especializada em carga-viva.

O PET COMO CARGA-VIVA: 

Se você optar por levar o seu animal em um avião como carga-viva, as empresas especializadas neste serviço te auxiliam em todo o processo, desde a retirada da documentação até o desembarque. Neste caso, não é necessário que você vá no mesmo voo e há o suporte de um despachante aduaneiro. É mais cômodo e, em alguns casos, a única opção (como os animais acima de 32 kg). Porém, geralmente, é mais caro do que em voo comercial.

O PET EM VOO COMERCIAL: 

Caso a sua opção seja levar o pet no mesmo voo que o seu, há duas maneiras: na cabine ou no porão. Para levar o animal na cabine ele tem que estar dentro das medidas exigidas pelas companhias aéreas (a maioria determina que o peso do animal com a caixa de transporte não ultrapasse os 10 kg. É necessário verificar essas informações nos sites das empresas). A bolsa para transportar o animal na cabine precisa ser maleável e encaixar embaixo da poltrona da sua frente, de forma que o animal fique confortável. 

Se o seu bichinho tem medidas maiores do que as permitidas na cabine, ele poderá ir no porão (exceto algumas raças braquicefálicas, que tem o nariz achatado. Algumas empresas não transportam esses animais no compartimento de carga. É preciso se informar diretamente com eles). Os animais viajam em um compartimento próprio, pressurizado e que fica separado das malas. Nesse caso, ele vai precisar de uma caixa de transporte rígida e com algumas características como, por exemplo, furos nas laterais. Não é permitido comida durante o trajeto e a água deve ser oferecida em um bebedouro de bilha, preso na porta da caixa. No site das empresas de aviação você encontrará todas essas informações. Lembre-se também de se aconselhar e tirar dúvidas com um veterinário.  

No momento de reservar a passagem aérea já indique que vai levar um animal de estimação. A maioria das companhias só aceitam a reserva de animais via telefone. Portanto, opte por fazer a reserva do seu voo por telefone e garantir a vaga do seu animal no mesmo voo que o seu. Afinal, algumas empresas só aceitam um animal por aeronave. 

Caso a sua viagem tenha conexão dentro do Brasil, é preferível que você compre a passagem do trecho nacional separadamente. Isso porque a reserva do animal tem que ser feita diretamente com a companhia aérea. Uma outra dica é quanto ao tempo de conexão. Se informe se o animal for no porão se, durante a conexão, você poderá retirá-lo para dar uma volta e fazer as necessidades. Caso isso seja possível, sempre opte por conexões mais longas. No Canadá, os principais aeroportos contam com espaços para os pets fazerem suas necessidades e darem uma voltinha antes do próximo voo. 

Ao desembarcar no primeiro aeroporto do Canadá, você deverá passar pela imigração e depois em um local para a fiscalização do animal e dos documentos. Após a avaliação, você será direcionado para pagar uma taxa de inspeção (CAD$ 30,00 + imposto – que fica em torno de CAD$ 35,00). É preferível levar dinheiro para pagar essa taxa.

Pronto. Se estiver tudo bem com o seu bichinho… bem-vindos ao Canadá! 

Gostou deste artigo? Compartilhe!

Deixe um comentário

Chat via Whatsapp
Send via WhatsApp